Posts Tagged ‘miséria’

Idéias para erradicar a miséria – sistema único de assistência social

maio 25, 2011

Seguindo com a divulgação das idéias para erradicar a miséria, conteúdo produzido pelo IPC-IG da ONU, a temática dessa semana é sobre um sistema único de assistência social. Ao meu ver, é importantísso ter consolidado todas as informações sobre as ações de assitência social em um único sistema, possibilitando uma visão integrada e a identificação de gaps.

CAPÍTULO 4: Sistema Único de Assistência Social

Coordenar programas de proteção social em diferentes ministérios e unidades do governo é um desafio em qualquer país. No Brasil, o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) é responsável pela coordenação da política social em todo o país. O SUAS é um sistema público que organiza, de forma descentralizada, a gestão dos programas socias, sendo coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). O Brasil também possui câmaras interministeriais e mecanismos formais de coordenação, como o CONSEA (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), o Conselho Nacional da Assistência Social, e os Conselhos Estaduais. Esses conselhos, muito mobilizados no Brasil, são complementados por uma coordenação local onde a Proteção Social Básica é administrada pelos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), que trabalham como pontos focais de uma rede local de serviços de assistência social, dando orientação para as famílias sobre como acessar os serviços. As unidades do CRAS atuam em paralelo com os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) em casos mais graves envolvendo abuso sexual, trabalho infantil e pessoas desabrigadas. Esses mecanismos de coordenação são complementados pelo trabalho feito pelo Programa Bolsa Familia, que articula vários programas e, desse modo, aumenta a integração da transferência de renda com outras iniciativas.

Além do Brasil, o Chile e a Colômbia também são casos relevantes na integração de programas de proteção social. Ambos têm dado a seus respectivos Ministérios do Planejamento um forte papel na coordenação dos programas, apresentando também uma base de dados de beneficiários que permite mapear a vulnerabilidade e garantir que os esforços converjam para as pessoas que mais precisam das políticas. As várias experiências na América Latina apresentam algumas características em comum: a importância de um forte ministério no comando da proteção social e responsável pela gestão de um órgão interministerial para a coordenação dos programas; a colaboração dos governos locais para garantir a integração das iniciativas (famílias são direcionadas aos pontos focais e assistentes sociais têm acesso a informações de vários programas); e uma base de dados compartilhada sobre vulnerabilidade, em que diferentes ministérios usam a mesma fonte de informações para selecionar os beneficiários.

Segue link para o vídeo:

Capítulo 4: Sistema Único de Assistência Social

Bom dia!

DC

O papel das empresas no combate à miséria

maio 18, 2011

Na newsletter do Instituto Ethos que recebo semanalmente, encontrei um artigo do Paulo Itacarambi sobre o papel das empresas no programa Brasil sem Miséria. Olha os pontos que ele listou como a posição das empresas:

“As empresas participantes dessa iniciativa constituíram um grupo de trabalho que estabeleceu uma agenda de compromissos, entre os quais se destacam os seguintes:

• Identificar potenciais conexões entre as ações em curso das empresas e dessas com as metas de melhoria dos indicadores nos territórios;
• Contribuir para o desenvolvimento das competências de gestão das administrações públicas, visando promover transparência, ética e políticas públicas para o desenvolvimento territorial sustentável;
• Criar e participar de espaços de diálogo e coordenação de ações entre os atores promotores do desenvolvimento territorial sustentável, como, por exemplo, fóruns empresariais de apoio à prefeitura; e
• Propor modificações ou novas políticas públicas que contribuam para a melhoria dos indicadores nos territórios. ”

Também ele descreveu como ação das empresas as práticas de contratar jovens aprendizes e mulheres.

Sinceramente, achei muito pouco essa lista de ações. São ações vagas, abrangentes, superficiais.

Enquanto o combate à miséria não for um driver nas inciativas das empresas, direcionadoras de novos negócios, não haverá avanços significativos.

Espero que elas melhorem suas posições.

DC

CBN – A rádio que toca notícia – Arnaldo Jabor – A miséria dá lucro

junho 7, 2010

CBN – A rádio que toca notícia – Arnaldo Jabor.

Hoje de manhã ouvi o comentário do Arnaldo Jabor na CBN que fala sobre o uso da miséria a favor dos não miseráveis. Muito bom o texto. Vale a pena ouvi.

Abraços,

DC