Posts Tagged ‘homenagem’

Matar árvores é assassinato

maio 31, 2011

Nessa terça-feira, com atraso, abriremos espaço para uma pequena homenagem a um cidadão que fazia diferença.

Líder ambientalista no Pará, ele trabalhava em prol da conservação da mata. Cada arvóre cortada é um assassinato: sua apresentação no TEDxAmazônia.

Este Blog, desde o início, incentiva a não passividade.  E ele é um grande exemplo disso.

Fonte: TEDx Amazônia.

Não consegui achar o link do vídeo, mas encontrei sua palestra escrita. Vale a pena ler.

Eu vou iniciar a minha palestra contando uma história do local onde eu vivo, do meu município, e um pouco da minha história de vida até a data de hoje.

Em 97, foi criado no município de Nova Ipixuna o primeiro PAE, Projeto de Assentamento Extrativista, Praia Alta Piranheira.

A gente tinha uma cobertura vegetal de 85% de floresta nativa a qual concentrava castanha e cupuaçu.
Hoje, com a chegada das madeireiras, das gozeiras que chegaram para Marabá, hoje, resta pouco mais de 20% dessa cobertura já fragmentada em muitos lugares.
É um desastre para quem vive do extrativismo como eu, que sou castanheiro desde os 7 anos de idade, vivo da floresta, protejo ela de todo o jeito.

Por isso eu vivo com a bala na cabeça a qualquer hora.

Porque eu vou para cima, eu denuncio os madeireiros, denuncio os carvoeiros, e por isso eles acham que eu não posso existir.
A mesma coisa que fizeram no Acre com o Chico Mendes, querem fazer comigo.
A mesma coisa que fizeram com a Irmã Dorothy, querem fazer comigo.
Eu posso estar hoje aqui, conversando com vocês, daqui a um mês, vocês podem saber a notícia que eu desapareci.
Me pergunto: tenho medo? Tenho. Sou ser humano, tenho medo.
Mas, o meu medo não empata de eu ficar calado!
Enquanto eu tiver força para andar, eu estarei denunciando todos aqueles que prejudicam a floresta!
Essas árvores que têm na Amazônia, são as minhas irmãs.
Eu sou filho da floresta.
Eu vivo delas, dependo delas, faço parte delas.
Quando eu vejo uma árvore dessas em cima de um caminhão indo para a serraria, me dá uma dor.
É o mesmo de eu estar vendo um cotejo fúnebre levando o ente mais querido que você tem!
Por quê? É vida.
É vida para mim, que vivo na floresta, é vida para todos vocês que vivem nos centros urbanos!
Porque ela está lá purificando o ar, ela está lá dando o retorno para nós.
E o desmando, por causa de um conjunto de gentes que só pensam no capital, pensam só neles, não pensam nas futuras gerações, não pensam em nada.
Estão fazendo o quê estão fazendo no nosso município.

É uma vergonha porque não se acha uma ação corajosa para resolver esse problema.

Esse é o entrave.
O meu objetivo, como eu vivo da floresta, como eu sobrevivo dela.
Essa castanheira, como eu sou castanheiro desde pequeno, vendia “in natura”.
Como o preço despencou, e eu tenho que sobreviver, agora eu estou industrializando ela no meu próprio lote.
Eu faço óleo, um óleo de primeira qualidade, rico em selênio, bom para fazer todo o tipo de comida, frituras e tudo, e se usa como óleo de oliva na salada.
O resíduo chama-se bagaço, se faz sorvete, biscoito, o quê a sua imaginação der para fazer para comer.
Isso já está indo para o mercado aos poucos.
O pessoal da universidade, pessoal da CPP, CNS, Belém, estão me comprando direto esse óleo, porque além de ser bom para comer, é ótimo remédio.
Como vocês sabem, que o selênio combate câncer.
Agregando valor à floresta, a floresta, ela tem que ser preservada de qualquer maneira.
Porque tudo que existe na floresta é rentável e dá dinheiro!
Eu sou artesão em cipó.
Se o negócio está preto, eu vou lá e tiro o cipó e faço 10 cestas.
Eu faço 100 reais, dez cestas que eu faço num dia.
Cestinha pequena.
Se for uma cesta maior, se faz 20 reais de uma para outra, faz 200 reais.
E ela está lá, continua me dando, no dia que eu quero, eu vou lá e apanho.
Agora, o cara só acha que ela só dá recurso se for derrubada, se for queimada, se produzir carvão.
Isso me deixa triste.
Agora eu vou fazer um pedido para vocês todos que estão aqui.

Quando vocês forem comprar alguma coisa que seja derivada de madeira, que seja derivada da floresta, procurem a origem. Só assim nós vamos começar a frear uma coisa que a gente não consegue lá no mato.

Se você começar a dizer não para as madeiras duvidosas, que não tem procedência, que não tem origem, o mercado começará a enfraquecer e eles verão que não está dando mais resultado.
Ou eles se enquadram dentro da lei, ou fecham as portas.
Agora, enquanto existirem quem compre madeira ilegal, quem compre coisas ilegais vindas da floresta, isso vai continuar.
E quem vai ficar perdendo somos nós que vivemos na floresta e vocês que, mais tarde não terão, porque ela acabará um dia.
E se acabar, como é que o pessoal, como é que nós vamos viver?
Primeiro de tudo: acaba a água.
Primeiro de tudo: não vai dar mais alimento.
Vai faltar a chuva, como já foi falado aqui, pelos outros palestrantes que me antecederam.
São coisas para pensar, são coisas para a gente colocar a cabeça no travesseiro e ficar é viável, desmatar? Não!
Ela é viável em pé!
É uma coisa que você não água, você não coloca adubo, você só tem o trabalho de ir buscar o quê ela produz.
Lá, na minha pequena propriedade, eu produzo óleo de castanha, manteiga de cupuaçu, polpa de cupuaçu, faço artesanato em cipó e em madeira, agora, eu aproveito as madeiras que a natureza derruba.
As que a natureza põe no chão para mim, eu vou lá e aproveito ela e, no lugar daquela que caiu, eu planto outra.

Porque no dia em que eu me for, vai ficar a minha continuidade aí, ficarão outras pessoas que virão e querem a mesma coisa que eu tenho hoje.

Então, a floresta é sustentável duas vezes mais em pé do que derrubada, porque quando você derruba, você só tem uma vez, e quando você deixa ela em pé, você tem ela para sempre.
Você tem hoje, amanhã, você vai embora, ficam outras pessoas que vão se usufruir do mesmo jeito que você, e vai viver bem.
Será possível que é esse aí o futuro da Amazônia!?
Será possível que esse aqui é o futuro do planeta!?
Eu acho que isso, nós não queremos, nem hoje.
E os que vêm depois?
Pegarão uma coisa dessas? Desfigurada, morta? É coisa para analisar, é coisa para pensar. Se é isso que nós queremos.
Não! Está nas nossas mãos e a gente tem o futuro pela frente e deve decidir se nós queremos isso aí, ou aquela imagem primeira, que foi colocada.
Muito obrigado.

O Brasil é menor com a sua perda.

DC

Novos horizontes

abril 12, 2011

Há exatamente 50 anos atrás o homem expandia seus horizontes.

Yuri Gagarin em 12 de abril de 1961 contemplou o planeta terra do espaço. Assim como o homem se lançou ao mar e descobriu não haver monstros marinhos, o homem foi ao espaço e não encontrou Deus(s), como havíamos pensado. Encontrou apenas uma deslumbrante paisagem.

A coluna de hoje é para homenagear o homem (representado pelo Yuri), homenagear o feito e, principalmente, homenagear a expansão dos horizontes humanos.

Hoje temos ainda muitas direções ainda por explorar (o mundo quântico, a mente humana, outras galáxias…). Temos que continuar a fazer as perguntas que movem nossas conquistas.

Para reflexão de todos: “Onde estaríamos hoje sem nossas perguntas?”

Sds,

DC

Morre um Cidadão brasileiro

março 30, 2011

Pequena homenagem deste Blog a um Cidadão Brasileiro (com “C” maiúsculo).

1931-2011