A floração das cerejeiras

Nesse início diluvioso de outono aqui no Brasil,  no Japão, início da primavera, celebra uma das datas mais importantes do seu calendário: a floração das cerejeiras. Um espetáculo da natureza!

Pensei: Em que datas aqui no Brasil celebramos a natureza? Aliás, celebramos a natureza? Temos no calendário  o dia 4 de outubro como o dia da natureza. Salvo as escolas primárias, que realizam atividades lúdicas com as crianças nessas datas, nunca vi uma mobilização maior com relação a contemplar a natureza.
Meio paradoxal né? O Brasil, com uma floresta amazônica, pantanal e tantos outros biomas não se tem uma cultura, hábito de reverenciar a natureza. Deve ser porque temos muito. Infelizmente, o homem dá valor quando o bem é escasso. Isto é economia!! A nossa idosa economia!!! O diamante custa muito. Uma vida, a natureza, quase nada.

A foto acima retirei de uma notícia do site abaixo, motivação deste post:

http://oglobo.globo.com/viagem/mat/2010/04/12/ilha-das-flores-japoneses-se-transformam-para-celebrar-floracao-das-cerejeiras

O título da matéria remeteu-me a um brilhante documentário chamado “Ilha das Flores”. Recorrendo ao nosso velho amigo Wikipedia, eis o comentário do filme:  “De forma ácida e com uma linguagem quase científica, o curta mostra como a economia gera relações desiguais entre os seres humanos. O próprio diretor já afirmou em entrevista que o texto do filme é inspirado em suas leituras de Kurt Vonnegut (“Almoço de Campeões”/ “Breakfast of Champions”) e nos filmes de Alain Resnais (“Meu Tio da América”/ “Mon Oncle d’Amérique”), entre outros.

O filme já foi acusado de “materialista” por ter, em uma de suas cartelas iniciais, a inscrição “Deus não existe”. No entanto, o crítico Jean-Claude Bernardet (em “O Cinema no século”, org. Ismail Xavier, Imago Editora, 1996) definiu Ilha das Flores como “um filme religioso” e a CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) concedeu ao filme o Prêmio Margarida de Prata, como o “melhor filme brasileiro do ano” em 1990. Em 1995, Ilha das Flores foi eleito pela crítica européia como um dos 100 mais importantes curtas-metragens do século.”

Link para o vídeo

“Hoje em dia, aqueles que amam a natureza são acusados de romanescos.”
Sébastien-Roch Chamfort.

Faça algo pelo mundo hoje: contemple a natureza.

Abraços,

DC

Anúncios

Tags: ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: